A abordagem cognitiva da metáfora em perspectiva pragmática nos séculos dezoito e dezenove: as contribuições de Lambert e Wegener a discussões atuais

Ulrike Agathe Schröder

Resumo


Desde o surgimento da Teoria Conceptual da Metáfora, há mais de trinta anos, houve uma série de autores que apontaram a falta de contextualização historiográfica, uma vez que a maioria das hipóteses sobre a metáfora conceptual e até boa parte dos exemplos já são antecipadas desde o século dezessete em reflexões filosóficas, antropológicas, psicológicas e linguísticas. O presente trabalho pretende apresentar dois pensadores dos séculos dezoito e dezenove, a saber, o filósofo Johann Heinrich Lambert (1965) e o linguista Philipp Wegener (1991), que não apenas já desenvolvem uma teoria cognitiva da metáfora cotidiana, como também já conseguem integrar aspectos pragmáticos, que atualmente são redescobertos como fatores descuidados pela primeira geração da Linguística Cognitiva. Sendo assim, as duas concepções podem lançar uma ponte a discussões atuais, uma vez que ambas conseguem apontar caminhos para superar tanto o abismo entre o sujeito solipsista e a sociedade, como a dicotomia entre universalismo e relatividade cultural. Os dois autores entendem a metáfora como fenômeno cognitivo e, ao mesmo tempo, intersubjetivo, por ser negociado entre os participantes em situações comunicativas concretas.


Palavras-chave


Metáfora conceptual; Linguística Cognitiva; Pragmática; Lambert; Wegener;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1981-5794