A revolução passiva dos governos Lula

Carlos Alberto Bello

Resumo


A partir de um conjunto de processos associados ao conceito gramsciano de revolução passiva, o artigo discute por que, para que, por quem, como e com que efetividade ela teria ocorrido sob os governos Lula (2003-2010). Diversos aspectos foram avaliados, tornando plausível a hipótese de que os governos Lula teriam desenvolvido os processos essenciais à plena realização de uma revolução passiva, sugerindo êxito em fortalecer a dominação burguesa no Brasil, ao menos até 2010. O quadro resultante parecia expressar uma combinação exitosa entre novas práticas junto às classes populares e manutenção das práticas neoliberais anteriores, no contexto de um crescimento econômico expressivo e do enfraquecimento das forças sociais potencialmente antagônicas, que não estariam obtendo apoios sociais muito relevantes.

Palavras-chave


Governos Lula; Revolução passiva; Neoliberalismo; Burguesia; Classes populares;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1982-4718
ISSN: 1414-0144

Licença Creative Commons
Revista Estudos de Sociologia by Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Proibição de realização de Obras Derivadas 3.0 Unported License.