When We Were Orphans de Ishiguro: do refúgio realista moderno a estilhaçamentos flutuantes

Silvia Mara Tellini

Resumo


O presente artigo é uma leitura das forças de tensão entre as lógicas modernas e as chamadas por alguns críticos de “pós-modernas” em constante disputa, com foco na narrativa do detetive Christopher Banks, no quinto romance de Kazuo Ishiguro, When We Were Orphans (2000). As lógicas binárias positivistas dessa narrativa se deparam com um mundo onde a racionalidade simplista de resolução de quebra-cabeças não pode auxiliar na significação do novo contexto político-social, agora sob mudanças extremas. Assim, essa análise discute junto a estudos culturais as implicações de novas teorias a respeito dos conceitos de identidade e memória, em suas inter-relações com os aspectos discursivos históricos e sociológicos das memórias coletivas na narrativa.


Palavras-chave


When We Were Orphans; Kazuo Ishiguro; Identidade; Memória;

Texto completo:

PDF (English)


Indexada por: /Indexed by: 

Web of Science (Thomson Reuters)
Emerging Sources Citation Index (Thomson Reuters)
LLBA – Linguistic and Language Behavior Abstracts (Ulrichsweb: https://ulrichsweb.serialssolutions.com)
MLA – International Bibliography (Modern Language Associantion/ EBSCOhost, ProQuest)
OCLC – WorldCat - Clase and Periodica
Academic Search Alumni Edition (EBSCOhost)
Academic Seach Elite (EBSCOhost)
Fuente Academica Plus (EBSCOhost)
Dietrich’s Index Philosophicus (De Gruyter Saur)
IBZ – Internationale Bibliographie der Geistes und Sozialwissenschaftlichen Zeitschriftenliterature (De Gruyter Saur)
Internationale Bibliographie der Rezensionen Geistes und Sozialwissenschaftlicher Literatur (De Gruyter Saur)
GeoDados

ISSN: 0103-815x

Licença Creative Commons
ITINERÁRIOS - Revista de Literatura is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Proibição de realização de Obras Derivadas 3.0 Unported License.