A inserção internacional de Campinas: aspectos conceituais

Armando Gallo Yahn Filho

Resumo


O processo de globalização, que se intensificou nos anos 1990, mudou a dinâmica das relações internacionais. Apesar da importância que os Estados nacionais ainda têm no cenário internacional, esta tem diminuído, na medida em que eles não conseguem solucionar todos os problemas no âmbito do seu território. Considerando-se que os fenômenos do mundo globalizado são percebidos, primeiramente, no âmbito local, os governos subnacionais passam a assumir uma importância cada vez maior. Com eles, outros atores não-governamentais também contribuem para encontrar soluções que permitam o desenvolvimento sustentado da esfera local. É cada vez maior o número de acordos de cooperação entre governos subnacionais, passando as cidades a assumirem competências que, antes, eram exclusivas dos Estados nacionais, desenvolvendo, inclusive uma paradiplomacia ou política externa federativa. Entre as cidades brasileiras de grande e médio porte, que possuem uma inserção internacional, destacamos Campinas e o seu acordo de cooperação científico-tecnológica com Montpellier, na França. Além disso, nossa intenção é demonstrar que, dadas as suas características, Campinas é, ao mesmo tempo, cidade-espaço e cidade-ator, no âmbito internacional.

Palavras-chave


Relações Internacionais; Governos subnacionais; Paradiplomacia; Campinas

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1984-0241
ISSN: 0101-3459