Eu vivo da natureza: resistência e conversão agroecológica de produtores na cidade do Rio de Janeiro

Annelise Caetano Fraga Fernandez

Resumo


Este trabalho tem como objetivo descrever as formas de resistência e o processo de ressignificação das práticas produtivas, políticas e reelaboração identitária dos produtores estabelecidos no Maciço da Pedra Branca, região que no passado constituía parte da Zona Rural da cidade do Rio de Janeiro e, que a partir de 1974, foi transformada em um parque estadual. Pretende-se mostrar como a criação desta unidade de conservação está relacionada a um conjunto mais amplo de transformações urbanas e que sua implantação exerceu efeitos contraditórios sobre a dinâmica da agricultura local. Em especial, destaca-se a imposição de novas fronteiras e usos, as relações estabelecidas com os agentes ambientais e mediadores e a crescente incorporação de valores de conservação da natureza e agroecológicos que tem alterado as percepções sobre o rural, o urbano e a relação entre agricultura e natureza. Também serão descritos, os processos recentes de mobilização política e apresentados alguns dados sobre esta agricultura, seus produtos, organização do trabalho e circuitos de produção.

Palavras-chave


Políticas ambientais; Conflitos ambientais; Agricultura; Relação rural-urbano; Agroecologia;

Texto completo:

PDF


E-ISSN: 1984-1736