Pela(s) via(s) da multiplicidade: desnaturalizando a noção de criminalidade e problematizando nossas práticas

Ilana Côrtes dos Santos, Poliana dos Santos Cordeiro

Resumo


Este artigo apresenta discussões sobre a criminalidade e suas relações com as práticas contemporâneas. Nesse sentido, pensar na criminalidade impele-nos, prioritariamente, a exercermos um pensamento a partir do qual movimentos de desnaturalização e de problematização possam ser feitos, viabilizando a produção de um deslocamento em relação aos discursos e olhares que, hegemonicamente, buscam enfatizar essa discussão apenas a partir de um viés moralizante, dicotômico, punitivo, a-histórico e sem qualquer potência política. Mostramos, então, um tipo de tessitura que faz com que os temas da criminalidade e da produção da periculosidade sejam pensados numa correlação intensa e pulsante entre a discussão sobre a manutenção de certas relações de poder, assim como entre alguns aspectos da produção de controle social no presente. Consideramos ainda as interferências que o campo dos Direitos Humanos pode trazer para essa discussão, afirmando os direitos humanos a partir de seu entrelaçamento com a ética e a multiplicidade.

Palavras-chave


Desnaturalização. Direitos Humanos. Periculosidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, L. A. A atriz, o padre e a psicanalista: os amoladores de facas. In: BAPTISTA, L. A. A cidade dos sábios. São Paulo: Summus, 1999. p. 45-51.

BICALHO, P. P. G. et al. Formação em psicologia, direitos humanos e compromisso social: a produção micropolítica de novos sentidos. Boletim Interfaces da Psicologia da UFRRJ, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 20-35, dez. 2009.

BRÍGIDO, E. I. Michel Foucault: uma análise do poder. Revista Direito Economia Socioambiental, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 56-75, jan./jun. 2013.

CHUMBO, C. Desilusão: racismo....chega. Luso Poemas, [20--]. Disponível em: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=16885. Acesso em: 31 out. 2017.

COIMBRA, C. M. B. Direitos humanos e criminalização da pobreza. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DIREITOS HUMANOS, VIOLÊNCIA E POBREZA: SITUAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA AMÉRICA LATINA HOJE, 1., 2006, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: [S.l.], 2006. p.01-13. Disponível em: http://www.observasmjc.uff.br/psm/uploads/Direitos_Humanos_e_Criminaliza%C3%A7%C3%A3o_da_Pobreza.pdf. Acesso em: 01 nov. 2017.

COIMBRA, C. M. B. Produção do medo e da insegurança. 1997. Disponível em: http://www.slab.uff.br/psm/uploads/texto64.pdf. Acesso em: 22 abr. 2017.

COIMBRA, C.; LEITÃO, M. B. Direitos humanos e a construção de uma ética militante. Revista Brasileira de Direito Constitucional, [S.l.], n.09, p.165-177, jan./jun. 2007.

COUTO, M. Há quem tenha medo que o medo acabe. [Fala proferida na] Conferência de Estoril, Portugal, 2011. Disponível em: http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-h%C3%A1-quem-tenha-medo-que-o-medo-acabe. Acesso em: 01 nov. 2017.

DAHMER, A. Tirinha “Malvados”. Mindnet, [20--]. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2017.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 23.ed. São Paulo: Graal, 2004.

FOUCAULT, M. Por uma vida não fascista. Prefácio ao “Anti-Édipo”. In: ESCOBAR, C. H. (Org.). Dossiê Deleuze. Rio de Janeiro: Hólon Editorial, 1991. p. 81-84.

GRUPO GAY DA BAHIA. Relatório de assassinatos de LGBT no Brasil em 2016. Salvador, [20--]. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/relatc3b3rio-2016-ps.pdf. Acesso em: 04 maio 2017.

INSITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA [IPEA]. Atlas da violência. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/1/2016. Acesso em: 30 out. 2017.

PRADO, K. Verbete desnaturalizar. In: FONSECA, T. M. G.; NASCIMENTO, M. L.; MARASCHIN, C. Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p.73.

RAUTER, C. M. B. O medo à criminalidade como fenômeno da contemporaneidade brasileira: controle social e rebelião. 2012. Tese professor titular – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/229953882/Do-Medo-a-Criminalizacao-Tese-Rauter. Acesso em: 31 out. 2017.

REISHOFFER, J. C.; BICALHO, P. P. G. A insegurança e produção de subjetividade do Brasil contemporâneo. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 21, n. 2, p.425-444, 2009.

REVEL, J. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

TIDBALL-BINZ, M. Direitos humanos e sofrimento mental. In: LANCETTI, A. (Org.). et al. Psicologia, direitos humanos e sofrimento mental. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999. p. 11-21.




DOI: https://doi.org/10.29373/semaspas.v19n1.2017.9896



 

 

Rev. Sem Aspas, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN  2358-4238, p-ISSN: 2238-359X

DOI Prefix: 10.29373/semaspas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.