Educação alimentar na escola: para além da abordagem biológica

Mariana de Senzi Zancul

Resumo


O comportamento alimentar do ser humano não se resume à ingestão de alimentos, ou seja, comemos não apenas para manter as atividades vitais, mas recorremos às refeições como forma de obter prazer, propiciar a convivência e conter determinadas ansiedades, por exemplo. Portanto, a alimentação é um processo complexo, que ultrapassa a necessidade biológica e recebe influência de vários fatores sociais, culturais, geográficos, religiosos ou afetivos. No entanto, no que diz respeito ao espaço escolar, a Educação Alimentar, no Brasil, ainda é predominantemente estudada e praticada adotando-se a perspectiva da saúde e da doença. Aqui se pretendeu questionar essa situação e propor uma reflexão a respeito da maneira como a Educação Alimentar escolar vem sendo tratada, ressaltando a importância de atuações e práticas que extrapolem a abordagem exclusivamente biológica.  


Palavras-chave


Educação e saúde. Educação alimentar. Alimentação.

Texto completo:

PDF

Referências


AMPARO-SANTOS, L. Avanços e desdobramentos do marco de referência da educação alimentar e nutricional para políticas públicas no âmbito da universidade e para aspectos culturais da alimentação. Revista de Nutrição, Campinas, v.26, n.5, p.595-600, 2013.

ARANCETA BARTRINA, J. Realidad actual de los comedores escolares en España. In: MARTÍNEZ ALVAREZ, J. R.; POLANCO ALLUÉ, I. (coord.). El libro blanco de la alimentación escolar. Madrid: McGraw-Hill, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília, DF, 1998.

BRASIL. Alimentação escolar. MEC/FNDE. 2009.

BRASIL. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, 2012.

CARNEIRO, H. Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

CASTELL, G. S. Larousse da dieta e da nutrição. São Paulo: Larousse do Brasil, 2004.

COELHO, R. et al. Excesso de peso e obesidade prevenção na escola. Acta Med Port, v.21, p. 341-344, 2008.

DERAN, S. O peso das dietas: emagreça de forma sustentável dizendo não às dietas! São Paulo: Sensus, 2014.

DINIZ, M. C. P.; OLIVEIRA, T. C.; SCHALL, V. T. Saúde como compreensão de vida: avaliação para inovação na educação em saúde para o ensino fundamental. Revista Ensaio, v.12, n.01, p.119-144, 2010.

FERNANDES, M. H.; ROCHA, V. M.; SOUZA, D. B. A concepção sobre saúde do escolar entre professores do ensino fundamental (1ª a 4ª séries). História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 12, n. 2, p. 283-291, 2005.

FIORE E. G.; JOBSTRAIBIZER, G. A.; SILVA, C. S.; CERVATO-MANCUSO, A. M. Abordagem dos Temas Alimentação e Nutrição no Material Didático do Ensino Fundamental: interface com segurança alimentar e nutricional e parâmetros curriculares nacionais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.21, n.4, p.1063-1074, 2012.

GAGLIANONE C. P. et al. Nutrition education in public elementary schools of São Paulo, Brazil: the Reducing Risks of Illness and Death in Adulthood project. Revista de Nutrição, Campinas, v.19, n.3, p.309-320, 2006.

GARCIA-ARNAIZ, M. Comer bien, comer mal: la medicalización del comportamiento alimentario. Salud Pública de México, v. 49, n. 3, p. 236-242, 2007.

GOBBI, L.S. A educação nutricional para a prevenção da obesidade infantil em uma instituição particular de ensino do município de Bauru – SP. 2005. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Ciências Farmacêuticas. – UNESP, Araraquara, 2005.

GREENWOOD, S. A.; FONSECA, A. B. Espaços e caminhos da educação alimentar e nutricional no livro didático. Ciências. Educação, Bauru, v. 22, n. 1, p. 201-218, 2016.

LYNG, N. et al. I. Reporting accuracy of packed lunch consumption among Danish 11-year-olds differ by gender. Food & Nutrition Research, v.57: 19621, 2013.

LOUREIRO, I. A importância da educação alimentar: o papel das escolas promotoras de saúde. Revista Portuguesa de Saúde Pública, v.22, n.2, p.43-55, 2004.

MOTTA, M. B.; TEIXEIRA, F. M. Educação Alimentar na escola por uma abordagem integradora nas aulas de Ciências. Inter- Ação, v. 37, n.2, p.359-379, 2012.

NASCIMENTO, A. M.; MAGALHÃES, M. C.; PAES, M. S. Enfermeiro e escola: uma parceria na prevenção da obesidade infantil. Revista Enfermagem Integrada, Ipatinga, v.4, n.1, p.742-754, 2011.

OLIVEIRA, G. M. S. M.; AUGUSTO, T. G. S. Análise dos artigos sobre Educação Alimentar publicados nas Atas do ENPEC. In: Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa e Ensino de Ciências. Florianópolis: ABRAPEC, 2009.

PACHECO, S. S. M. O hábito alimentar enquanto um comportamento culturalmente produzido. In: FREITAS, M. C. S.; FONTES, G. A.V.; OLIVEIRA, N. (org.). Escritas e narrativas sobre alimentação e cultura, Salvador, EDUFBA, 2008.

PIPITONE, M. A. P. A relação saúde educação na Escola de 1o grau. Rev. Alim. Nutr., v. 65, p. 48-52, 1994.

POLLAN, M. Em defesa da comida: um manifesto. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2008.

PRECIOSO, J. As Escolas Promotoras de Saúde: uma via para promover a saúde e a educação para a saúde da comunidade escolar. Educação, Porto Alegre, v.32, n.1, p.84-91, 2009.

RAMOS, F. P.; SANTOS, L. A. S.; REIS, A. B. C. Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão de literatura. Cad. Saúde Públ., v.29, n. 11, p. 2147-2161, 2013.

RODRIGO, M. V.; EJEDA, J. M. M.; ARMENTA, M. C. Una década enseñando e investigando en Educación Alimentaria para Maestros. Revista complutense de educación, v. 24, n. 2, p. 243-265, 2013.

SANTOS, L. A. S. O fazer educação alimentar e nutricional: algumas contribuições para reflexão. Ciência & Saúde Coletiva, v.17, n. p.453-462, 2012.

SILVA, E. C. R.; FONSECA, A. B. Abordagens pedagógicas em Educação Alimentar e Nutricional em escolas do Brasil. In: Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa e Ensino de Ciências. Florianópolis: ABRAPEC, 2009.

TEO, C. R. P. A. Discursos e a construção do senso comum sobre alimentação o a partir de uma revista feminina. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.19, n.2, p.333-346, 2010.

ZAFRA, E. La transversalidade de los processos de socialización en los comportamentos alimentarios de los niños y niñas. Nuevas propuestas para la educación alimentaria. Zainak, Cuadernos de Antropología-Etnografía, v. 34, p.33-60, 2011.

ZAFRA, E. Experiencias de aprendizaje alimentario desde lo corporal. Nuevas propuestas para la educación alimentaria. In: GARCIA- ARNAIZ, M. Alimentación, salud y cultura: encuentros interdisciplinares. Tarragona: URV, 2012. p. 41-60.

ZANCUL, M. S.; COSTA, S. S. Concepções de professores de ciências e de biologia a respeito da temática educação em saúde na escola. Experiências em Ensino de Ciências, v.7, n.2, p.67-75, 2012.




DOI: https://doi.org/10.26673/rtes.v13.n1.jan-jun2017.2.9490

ISSN: 1517-7947

ISSN Eletrônico: 2526-3471 

Prefixo DOI: 10.26673

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.